quarta-feira, 7 de outubro de 2015

O AMOR, MEU AMOR...



Foto de Svensk Surrealist


O Amor, Meu Amor

Nosso amor é impuro 
como impura é a luz e a água 
e tudo quanto nasce 
e vive além do tempo. 

Minhas pernas são água, 
as tuas são luz 
e dão a volta ao universo 
quando se enlaçam 
até se tornarem deserto e escuro. 
E eu sofro de te abraçar 
depois de te abraçar para não sofrer. 

E toco-te 
para deixares de ter corpo 
e o meu corpo nasce 
quando se extingue no teu. 

E respiro em ti 
para me sufocar 
e espreito em tua claridade 
para me cegar, 
meu Sol vertido em Lua, 
minha noite alvorecida. 

Tu me bebes 
e eu me converto na tua sede. 
Meus lábios mordem, 
meus dentes beijam, 
minha pele te veste 
e ficas ainda mais despida. 

Pudesse eu ser tu 
E em tua saudade ser a minha própria espera. 

Mas eu deito-me em teu leito 
Quando apenas queria dormir em ti. 

E sonho-te 
Quando ansiava ser um sonho teu. 

E levito, voo de semente, 
para em mim mesmo te plantar 
menos que flor: simples perfume, 
lembrança de pétala sem chão onde tombar. 

Teus olhos inundando os meus 
e a minha vida, já sem leito, 
vai galgando margens 
até tudo ser mar. 
Esse mar que só há depois do mar. 

Mia Couto, in "idades cidades divindades



a ouvir... 
Yiruma - «Because I Love You»

16 comentários:

  1. Muito bonito. Mia Couto ... pois.
    Beijinho, Afrodite Maria.

    ResponderEliminar
  2. Beautiful photography, beautiful music.
    Good combination.

    ResponderEliminar
  3. Que belo poema! Adorei.
    Beijo a você querida Afrodite!

    ResponderEliminar
  4. A sensibilidade à beleza !
    Um poema muito sentido, gosto de Mia Couto.

    Minha querida não vou participar no passatempo do aniversário do teu Jardim, por razões que conheces, espero estar capaz para dar uma espreitadela.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Admiro muito Mia Couto. Gosto da sua escrita e gosto deste poema !
    Obrigado Afrodite pela tua tripublicação !

    ResponderEliminar
  6. Um post muito bem “combinado”.

    ResponderEliminar
  7. Conheço mal Mia Couto (assim como tantos outros/as) ! :(... Como sou modesto (rsrs) diria que não se pode ser bom em muita coisa ! eheh
    Não conhecia o poema ! ... Os versos, com "expressões"/imagem de uma beleza ao limite ! ... Lindas, lindas,... mas a "ligação" dos versos nas estrofes extremamente difíceis de "ligar" !
    Não é um poema "fácil" ... mas é lindo ! ...

    A foto/silhueta fantástica e o acompanhamento musical perfeitamente enquadrado !
    *-*

    ResponderEliminar
  8. Muito bom estes escritor.
    Repartir estes versos é divulgar a cultura geral cultura.
    Temas apaixonantes.

    ResponderEliminar
  9. Não conhecia o poema, porque aliás não li assim tanto este autor. Embora ache o poema muito bom, há passagens que… não se apreendem à primeira.
    Como sempre, foto e música encaixam na perfeição com o texto (deusa é deusa!) ;)

    Abreijo meu,
    FATifer

    ResponderEliminar
  10. Ando a ler "Na berma de nenhuma estrada e outros contos".
    Uma delícia!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Olá:) Como vais amiga querida?!
    Com o aproximar de dia 15...lembrei-me de ti...os 20 anos junto de MorMeu de que falava no meu cantinho estão aí à porta, foi então que me lembrei que também para ti é uma data FELIZ:)...e ainda bem que por cá passei para te dizer: Bom dia:) Que poema lindo, meu Deus!

    Jinhooossss e fica bem, fica muito bem, sim?!

    ResponderEliminar
  12. Amiga Afrodite, escolheste uma foto, um poema e uma música, que se fundem completamente no Amor.
    Mia Couto escreveu um dia :
    "A terra pode amolecer por força do amor? Só se o amor for uma chuva que nos molha a alma por dentro."

    Que venha a chuva do amor amolecer os nossos corações.

    Um beijinho




    ResponderEliminar
  13. Belo poema, linda foto!
    Um belo conjunto.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  14. Clarinhamiga

    Tenho a sorte e o privilégio de me encontrar com o Mia Couto e ganhar um bem tempo conversando com o poeta/escritor/crítico/militante e professor de causas boas.Foi-me apresentado por um primo da >Raquel que também é moçambicano.

    Tenho uns quantos livros autografados por ele que guardo ciosamente entre os muitos que vivem nas prateleiras da minha biblioteca - se posso chama-lhe assim :-)))))

    Silhueta inebriante convidando o Amor a transformar-se na tua pele que é também a minha pele. Poema em dó maior ainda que eu seja menor numa escala, numa sinfonia, numa clave de sol - sem Sol...

    Querida Amiga, agradeço-te por me (nos) dares tanto quanto de êxtase e de felicidade. Extraordinário post!

    Bjs da Raquel e qjs do Leãozão

    ResponderEliminar
  15. Que belo momento, este. :)

    ResponderEliminar
  16. Amar até que ambos sejam, juntos, um rio por vezes tranquilo, por vezes alteroso , correndo no leito.

    Beijos, amiga. :)

    ResponderEliminar