segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

V... de VOLÚPIA


Foto de Vadim Stein

        VOLÚPIA


          «No divino impudor da mocidade, 
          Nesse êxtase pagão que vence a sorte, 
          Num frêmito vibrante de ansiedade, 
          Dou-te o meu corpo prometido à morte!

          A sombra entre a mentira e a verdade... 
          A nuvem que arrastou o vento norte... 
          - Meu corpo! Trago nele um vinho forte: 
          Meus beijos de volúpia e de maldade!

          Trago dálias vermelhas no regaço... 
          São os dedos do sol quando te abraço, 
          Cravados no teu peito como lanças!

          E do meu corpo os leves arabescos 
          Vão-te envolvendo em círculos dantescos 
          Felinamente, em voluptuosas danças...»



          Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"



a ouvir... 

15 comentários:

  1. Bom dia :) Uma semana voluptuosa de coisas boas na tua vida Amiga:)

    jinhoooooossssssss

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Suricate

      Dissemos bom dia ao mesmo tempo... hehehehe
      Que a tua semana também seja "em grande"! :*


      V...eijosssssssss
      (^^)

      Eliminar
  2. Bom dia, Afrodite.
    E, uma semana « fremente». :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. JM

      «Fremente»...
      Ora aí está uma palavra cujo campo lexical tenho vontade de explorar nos meus "rabiscos"! :)


      Beijinhos e uma excelente semana para ti também
      (e não te constipes)
      (^^)

      Eliminar
  3. Bom dia :) desejo te uma semana cheia de sorrisos :)
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Imprópria

      Obrigada minha linda... o teu já cá canta!! :D
      Que a tua semana também seja "V...estial"... cheia de "V...elos" sorrisos e de momentos "V...rilhantes"!


      A"V"raços e "V"eijinhos
      (^^)

      Eliminar
  4. Na volúpia do teu corpo me perdia
    Na volúpia do meu corpo te encontravas
    Nessa volúpia um amor se fundiria
    mais ardente que as próprias lavas
    escorrendo de entranhas apetitosas...
    por esta tu não esperavas!
    minhas palavras voluptuosas!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. "Maria"

      De uma alma poeta como a tua eu já espero tudo... :D
      Mas um dia quem te vai surpreender sou eu... quando começar a publicar com o destaque merecido os teus poemas!!


      Beijos com promessa feita e selada!
      (^^)

      Eliminar
  5. Florbela era uma mulher fora do seu tempo!

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Esta Florbela Espanca "é" extraordinária com os seus sonetos !
    Uma mulher, talvez mais infeliz que feliz, mas que viveu como poucas as suas emoções sensuais, carregadas de volúpia !
    Adoro os seus sonetos !!!
    .

    ResponderEliminar
  7. É bem verdade
    ainda
    «No divino impudor da mocidade, »

    Que venham os poemas da Maria

    ResponderEliminar
  8. Florbela Espanca extravasava as emoções como nunca ninguém o conseguiu em português.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Soneto com soneto se paga ...

    Meus nervos, guizos de oiro a tilintar
    Cantam-me n'alma a estranha sinfonia
    Da volúpia, da mágoa e da alegria,
    Que me faz rir e que me faz chorar!

    Em meu corpo fremente, sem cessar,
    Agito os guizos de oiro da folia!
    A Quimera, a Loucura, a Fantasia,
    Num rubro turbilhão sinto-As passar!

    O coração, numa imperial oferta.
    Ergo-o ao alto! E, sobre a minha mão,
    É uma rosa de púrpura, entreaberta!

    E em mim, dentro de mim, vibram dispersos,
    Meus nervos de oiro, esplêndidos, que são
    Toda a Arte suprema dos meus versos!

    Florbela Espanca, In Charneca em Flor

    ResponderEliminar
  10. Posso subscrever o comentário do Carlos??
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. A volúpia...Só a palavra já me "pica" ;-)
    Bjs

    ResponderEliminar