quinta-feira, 27 de novembro de 2014

EM CATALÃO, SAUDADE ESCREVE-SE ASSIM...



Foto de Alisa Verner




Se falo dos teus olhos

Se falo dos teus olhos, em mim ecoam
cadeirinhas de junco e um ocaso de pombos.
Os teus olhos, tão intensos como um grito na escuridão.

Se falo dos teus lábios, em mim ecoam
profundíssimas grutas e ritmos de preguiça.
Os teus lábios, tão próximos como a noite.

Se falo do teu cabelo, em mim ecoam
praias desconhecidas e quietudes de igreja.
O teu cabelo, como a espuma do vento.

Se falo das tuas mãos, em mim ecoam
maracotões suavíssimos e odor de roupa antiga.
As tuas mãos, tão leves como um suspiro.

Se falo do teu corpo,
do teu corpo que amei,
só ecoa em mim a minha voz,
e então fecho avaramente os olhos
e digo, para mim só, o segredo dos caminhos
que lentamente segui através do teu corpo
tão cálido como a luz,
tão denso como o silêncio.


Miquel Martí i Pol (poeta catalão)


"roubado" DAQUI

22 comentários:

  1. Este Catalão é muito semelhante ao Tuguês!! :p

    Beijinhosssssssss****************

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. S.O.G.

      "Tuguês"... não conheço!
      Mas em Português acho que sim... pelo menos a julgar pela tradução de Francisco Topa.


      Jocas...
      (^^)

      Eliminar
    2. Topo, tanto topo, que topei... ;)

      Beijinhossssss**************

      Eliminar
  2. Bom dia Amiga:)

    Se passares lá por casa, não de assustes, está tudo bem comigo.
    Apenas um ciclo de vida chegou ao fim, mas eu vou passando para saber se ti:)

    Jinhooooooosssssss

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Suri

      Até já me estás a assustar...
      Vou então lá passar para saber de ti.
      Entretanto falamos.


      Um beijo no teu ♥

      Eliminar
  3. Boa tarde, com nostalgia mais me encanta, ler o que os teus olhos me dizem.
    Não conhecia o poeta catalão, gostei do poema que o homem escreveu.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. António

      Eu também não conhecia... e fiquei tão inebriada quando o li que não resisti a divulgar!
      Para isso servem os blogues! :))


      Beijinhos sem nostalgia
      (^^)

      Eliminar
  4. Curiosa a impressão que fica de um corpo que é fisicamente amado, o segredo dos caminhos que lentamente se seguem na sua descoberta, que avaramente guardamos para nós e de que não falamos, contrariamente às impressões que nos deixam os olhos, os lábios, os cabelos e as mãos, que vemos ou que ligeiramente tocamos !

    Quererá ele dizer que amar fisicamente um corpo é uma coisa e simplesmente olhar ou apenas tocar é outra ?! …

    Poema “muito profundo” e de difícil interpretação ! … por isso foi ele um dos mais lidos e melhores poetas catalães !!!
    .

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Rui

      É muito profundo sim... e acredita que já o li umas poucas de vezes e a cada vez consigo entrar mais fundo no pensamento do autor, ou melhor, no meu próprio pensamento... porque isto de ler poesia é um pouco como nos olharmos ao espelho da alma!


      Beijinhos poéticos
      (^^)

      Eliminar
  5. Não sabia que saudade se escrevia nu...ma arvore
    Kis:=)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Gi

      A primeira vez que li o que escreveste pensei: "ai que a "Maria" pegou-lhe aquela coisa do dialecto estranho e não estou a entender nada!..."
      Mas depois lembrei-me da fotografia... e fez-se-me luz! :D
      Acredita que me vi aos papéis para encontrar uma fotografia que, enquadrada no estilo dos Jardins, conseguisse exprimir o sentimento de saudade!


      Bei(Gi)nhos
      (^^)

      Eliminar
  6. Sem muros nem amos

    que viva o belo cante

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Puma

      O Amor e a saudade não cabem entre quatro paredes nem há muros que os cerceiem.
      O mesmo acontece com o belo canto alentejano! Viva!!


      Bêjos
      (^^)

      Eliminar
  7. Florbela ... dizia assim das "Saudades"

    Saudades! Sim… talvez… e por que não?...
    Se o sonho foi tão alto e forte
    Que pensara vê-lo até à morte
    Deslumbrar-me de luz o coração!

    Esquecer! Para quê?... Ah, como é vão!
    Que tudo isso, Amor, nos não importe.
    Se ele deixou beleza que conforte
    Deve-nos ser sagrado como o pão.

    Quantas vezes, Amor, já te esqueci,
    Para mais doidamente me lembrar
    Mais decididamente me lembrar de ti!

    E quem dera que fosse sempre assim:
    Quanto menos quisesse recordar
    Mais saudade andasse presa a mim!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Ricardo

      Saudade...
      Este sentimento que não é só nosso (dos portugueses)... mas que os nossos poetas sublimaram.
      Escolheste lindamente um poema de Florbela para "responder" ao de Miquel...


      Beijinhos presos na saudade
      (^^)

      Eliminar
  8. Saudade escreve-se muito melhor em português, Afrodite.
    Tão tipicamente nosso.
    Beijinhos e votos de bfds

    ResponderEliminar
  9. Se não envolvesse tanto sofrimento, gostaria de ter sido poeta assim... Este poema é sublime. Grato pela partilha, Afrodite, saudades de conhecer a obra do Miquel...lá irei.
    Beijos. E sim, viva o Cante!

    ResponderEliminar
  10. Maravilhoso poema feito na base da saudade. Divino

    .
    Somos um blogue novo que precisa de ajuda a fim de se expandir na blogosfera erótica. Precisamos de quem nos ajude, nos siga, nos leia, nos comente. Ficaremos eternamente agradecido e sempre que possível retribuímos a visita e seguiremos quem nos seguir...Obrigado e desculpem esta publicidade.
    .
    Blogue: http://deliriosamoresexo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. Não conhecia!
    Li, reli e voltei a reler, só assim entendi a profundidade.
    Sabes amiga, é enorme a saudade que existe em mim, a cada dia que passa sinto o seu poder perante o meu coração.

    Beijinho e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  12. Deusamiga

    Belíssimo poema e belíssima fotografia. Junta-las foi e eé e será uma maravilha. Em catalão sei dizer poucas coisas mas a principal delas é No es permet fumar...

    Entretanto o lançamento do Crónicas das minhas teclas decorreu bastante bem. Na Travessa há um resumo do acontecido.

    Qjs

    ResponderEliminar
  13. Adorei! Podia ser português... E o soneto da Florbela Espanca que o Ricardo Santos publicou também é muito bom.
    Beijão

    ResponderEliminar