segunda-feira, 19 de agosto de 2013

JÁ NÃO HÁ CANÇÕES DE AMOR...



(cena do filme francês LA BOUM, de 1980)


As nossas memórias são a bagagem que carregamos dos anos que já vivemos e muitas delas, as mais antigas, são por vezes recordadas apenas depois de se receber um estímulo que as faça trazer de novo ao presente.
Foi o que me aconteceu ao ler ESTA história romântica que a GRAÇA SAMPAIO publicou no seu "Picos de Roseira Brava".

A história que ela conta fez-me recuar até aos meus 15 anos e ao tempo das primeiras paixonetas.
Esta que vos vou contar, para assim responder ao DESAFIO lançado pelo CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA no seu "Crónicas on the Rocks", passou-se no início da década de 80. 
Desenganem-se porém os que pensam que esta é uma história de amor. Não o é... mas poderia muito bem ter sido não fossem os "ses" da vida!

Estávamos no início do verão, com o fim do ano lectivo mesmo ali ao virar da esquina. E nós, se por um lado estávamos ansiosos por férias, por outro estávamos desgostosos pois as férias eram sinónimo de ficarmos sem ver muitos dos nossos amigos. 
A pensar nisso, a minha maior amiga decidiu fazer uma festa de fim de ano na casa dela e pediu-me ajuda para a organizar.

Da lista dos convidados constava o Charles, um amigo nosso que, não sendo da nossa turma, fazia questão de nos fazer companhia em todos os intervalos entre os vários períodos lectivos. Eu gostava de conversar com ele, era natural de França e por isso diferente de todos os outros meus amigos e colegas. Na minha ingenuidade, nunca me apercebi que aqueles nossos encontros diários eram já uma espécie de namoro... mas se me perguntassem se gostava dele eu por certo negaria.
Só na tarde da festa me apercebi que o via com olhos especiais quando dei por mim ansiosa a olhar para a porta para ver se ele chegava e quando o meu coração disparou no momento em que finalmente o vi entrar. 

Foi passando a tarde, a malta estava animada, dançava-se de tudo um pouco mas sobretudo música mais mexida e até alguma música folclórica. Às tantas ele cola a boca no meu ouvido e diz-me... "daqui a pouco tenho de ir embora... mas não quero ir sem dançar contigo um slow!" 
Eu interroguei-o como íamos fazer isso no meio daquela alegria toda e de uns a pular para cada lado. Foi então que ele me surpreendeu perguntando... "Viste o filme LA BOUM, não viste?" Eu anuí e ele continuou..."E lembras-te quando o rapaz coloca os auscultadores nas orelhas da Vic (Sophie Marceau) para poderem dançar no meio da festa?"
E fazendo o gesto como me colocando uns auscultadores (imaginários) na cabeça, abraçou-me e começamos a dançar um slow com a música a "tocar" apenas dentro nas nossas cabeças!

A música era esta:




Entretanto o ano lectivo acabou, ele deve ter voltado para França porque não o voltei a ver nem nesse verão nem nos anos lectivos seguintes.
Como já tinha dito, esta não é uma história de amor... mas é a história de um momento muito romântico que vivi e recordo com carinho.



36 comentários:

  1. Gostei bastante do que li :)
    R: obrigada :)

    Eu irei ver.. eu não tirei essa parte mas posso ter tirado sem querer.. irei ver se aconteceu alguma coisa e voltar a por :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Briana

      Faz isso sim... e boa sorte na resolução do teu problema.


      Beijinhos subscritos
      (^^)

      Eliminar
  2. Obrigada pela partilha...não é uma história de amor, mas é tão linda como se tivesse sido e é hoje lembrada por ti quase como se fosse;)

    jinhooossssss

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Suricate

      De facto não chegou a ser... mas podia ter sido!
      As memórias, essas são doces na mesma... :)
      Obrigada!


      Beijinhos partilhados
      (^^)

      Eliminar
  3. Cara confrade Afrodite!
    Grato por compartilhar tão doces reminiscências!
    O que seria das nossas existências sem as reminiscências?!...
    Caloroso abraço! Saudações juvenis!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    PS - Lembrei de uma canção que fez sucesso estrondoso na minha já bem distante adolescência e fazia-me suspirar:
    https://www.youtube.com/watch?v=nD4ib9-laGY

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Prof. João Paulo

      Conheço bem esse tema cantado pela Vicky Leandros no Eurofestival da canção de 1967 (ano muito grato para mim) mas o tema com que ela venceu este certame cinco anos depois tem muito mais significado para as minhas memórias. O tema "APRÉS TOI" foi um grande êxito aqui na Europa e lembro-me de o trautear imensas vezes com os meus irmãos mais velhos.

      Obrigada por me trazer tão doces lembranças.
      Beijinhos doces
      (^^)

      Eliminar
  4. Falando de canções de amor, acho que já te disse que tenho um carinho especial pela “Hello” do Lionel Richie (http://youtu.be/b_ILDFp5DGA) mas continuará sempre a haver canções de amor enquanto houver amor, isto é, enquanto o ser humano existir!

    Quanto ao episódio que decidiste partilhar só posso agradecer porque gostei muito de o ler.

    Beijinhos,
    FATifer

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. FATifer

      Eu também gosto muito do "Hello"... acho que já tínhamos falado disso sim. E em todas as décadas se fizeram bonitas canções de amor... basta haver um coração apaixonado que a queira compor.

      Tu conheces-me... não sou de escrever muito sobre mim... mas desta vez fui contagiada pelas belas histórias que tenho lido e decidi partilhar esta história que estava lá no fundo do baú.


      Beijos felizes de te ter por aqui
      (^^)

      Eliminar
  5. E que eu gostei de ler! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Rosa dos Ventos

      Fico satisfeita por isso, a sério que sim.
      Apesar de não ser meu costume, desta vez soube-me bem partilhar retalhos das minhas memórias.


      Beijinhos Rosinha
      (^^)

      Eliminar
  6. Que linda história! Muito romântica e à moda da época...O slow também é bem bonito! E eu não conhecia. Fico feliz por a minha história te ter recordado esse fim de férias tão giro...

    Beijinhos e obrigada pela menção.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Graça

      Era impossível não te mencionar já que foi depois de te ler que decidi participar no desafio que o Carlos nos lançou.
      Esta música passava imenso na rádio... e já nem sei se a conheci primeiro no filme ou se quando vi o filme já a conhecia da rádio!
      Acreditas que quando a recordei agora para fazer este post me deu uma espécie de nostalgia gostosa? :)


      Beijinhos em eco dos teus
      (^^)

      Eliminar
    2. É isso! Uma nostalgia gostosa...
      Beijinhos algo nostálgicos...

      Eliminar

    3. Uma nostalgia gostosa que nos deixa um sorriso no rosto e um coração mais jovem :)


      Beijinhos sempre jovens
      (^^)

      Eliminar
  7. Pode não ser uma história de amor tórrido no género desses que costumas escrever, mas eu gostei imenso.
    Dançar ao som de uma musica imaginada, é do mais romântico que existe...e, como não foi, poderia ter sido, né? :)
    Beijinhos.
    ( em ritmo de slow!)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Janita

      Não, de facto não tem nada a ver... a começar logo pelo facto desta ser uma história real e pessoal e as que eu escrevo nos contos são mera ficção!
      (agora que falas nisso... já há muito que não escrevo nenhum conto... e acho que me estava a apetecer... hehehe)


      Beijinhos românticos
      (^^)

      Eliminar
  8. À sua maneira, é uma história de amor e muito interessante, por sinal. Fez-me recordar uma história passada comigo e uma outra canção a ela associada- servirá e anúncio à tua história, a que amanhã farei referência no On the rocks.
    Muito obrigado pela tua participação
    Bisous

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Carlos

      Digamos que é uma história de um quase amor que morreu à nascença...
      Mais do que a história em si, aqui a verdadeira protagonista é a música "Reality" interpretada por Richard Sanderson.
      Era de canções que falávamos, certo? :)


      Beijinhos sonhados
      (^^)

      Eliminar
    2. Certo... mas ficou no ar a ideia de que a história de amor poderia ter acontecido.
      Beijinhos acalorados

      Eliminar

    3. Podia, claro que sim... mas o ano lectivo entretanto acabou e não houve tempo para cenas dos próximos capítulos.


      Por acaso estou cheia de calor pois tenho a pele quente dos beijos do sol que recebi hoje num fantástico dia de praia! :)

      Beijinhos a condizer
      (^^)

      Eliminar
  9. Olá
    O Charles foi(é) um rapaz de sorte, por ser diferente dos outros ele criou uma linda historia de amor, não importa se durou 3 minutos, 3 anos ou 30 anos, o que importa é que a historia de amor passado anos, ainda dura e a dança continua no imaginário.
    Onde andas tu Charles?

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. AG

      Saber onde andará aquele rapaz (agora homem) 30 anos depois achas que fará alguma diferença? Até é melhor não saber... pois assim esta memória fica cristalizada no tempo!


      Beijinhos guardados em âmbar
      (^^)

      Eliminar
  10. MARAVILHA!!
    A história, o filme, a memória.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Pedro

      Todos nós, uns mais que outros é certo, teremos histórias e memórias deste género guardadas num baú. O passar do tempo doura-lhes a cor e adoça-lhes o sabor.


      Beijinhos dourados
      (^^)

      Eliminar
  11. Eu tenho as minhas canções de amor, canções que nos marcaram em certos momentos.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. S*

      A música é uma excelente companheira de vida... eu não saberia viver sem música. Ela ajuda a cimentar memórias e a dar-lhes mais brilho.


      Beijinhos cantados
      (^^)

      Eliminar
  12. Eu acho que é uma história de Amor. Breve, mas, uma história de amor. :)
    Não conheço o filme, fiquei curiosa.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Tétisq

      Bem vinda :)
      Quanto ao filme, podes seguir o link que está por baixo da imagem que está no cabeçalho do post. Ele leva ao trailer do filme e com ele consegue-se entender melhor a história que eu narrei.


      Beijinhos e até breve
      (^^)

      Eliminar
  13. Tão mas tão, mas tão ternurenta!!!
    Fiquei a sorrir com esta história!!!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Inês

      :)
      E olha que eu naquela altura tinha uma carinha de anjo...


      Beijinhos ternos minha Princesinha
      (^^)

      Eliminar
  14. Interessante demais. Existem momentos que marcam a gente.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. RoCo

      Este marcou pelo gesto simbólico e inusitado.
      Só ficou a faltar um beijo para a história ser ainda mais romântica!
      :))


      Grata pela visita

      Eliminar
  15. Concordo com o Carlos...é uma história de amor e linda na sua inocência.

    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Pérola

      Obrigada pelas palavras... vocês ainda me vão convencer de que estava errada na minha apreciação.


      Beijinhos inocentes
      (^^)

      Eliminar
  16. Concordo com os anteriores leitores que dizem que esta é (sim) uma história de amor. :)
    Também tenho este disco no meu pequeno álbum de vinis. :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Luísa

      Tens o disco?
      Ena!! Deves ser a única a recordar este tema!!
      E esse disco, traz doces memórias?


      Beijinhos nostálgicos
      (^^)

      Eliminar